24 julho 2003

Quem se eu gritar...

Ela manda-me o livro do Rilke na tradução de Paulo Quintela. Sabe o que manda. Mas não sabe quem está agora aqui a recebê-lo. Não suporto que me abram a porta da cela e interrompam o meu isolamento. Pôs uma gota de perfume entre duas páginas e essa manifestação de mau gosto confirma os meus piores sentimentos. Estar preso é também esta humilhação de não lhe poder dizer que o amor acabou às portas da Penitenciária.

0 Comentários:

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

Hiperligações para esta mensagem:

Criar uma hiperligação

<< Página inicial