23 janeiro 2004

23 de Janeiro, Arnaldo

Foi preso em casa, na Travessa de Montarroio. Os jornais noticiaram com relevo a sua prisão. Foi lá que a filha, de 12 anos, leu a biografia contada pela polícia. Anarquista, leu ela. Bombista, leu ela.
Mais tarde, quando o juiz o condenou a 20 anos, ouviram-no dizer : Sou novo hei-de voltar.
Foi o seu maior engano. A fascíola hepática, e o médico do Campo, pago para matar, haviam de trair o seu optimismo.

0 Comentários:

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

Hiperligações para esta mensagem:

Criar uma hiperligação

<< Página inicial