31 janeiro 2004

Editorial Penélope

É sempre assim ao sábado. Ela acorda tarde, está imenso tempo no banho, pinta-se de vermelho absoluto. O perfume dela cheira a pó de arroz. Chega à livraria a pedir desculpa pelo atraso. Espera-a sempre um jovem escritor. Quando é de história, ela recebe o original, folheia-o com angústia, arranja pretexto para se levantar, dar passos largos entre as estantes como se empunhasse um espanador. Cem páginas de texto e trezentas de notas de rodapé, repete baixinho, até se acalmar.

0 Comentários:

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

Hiperligações para esta mensagem:

Criar uma hiperligação

<< Página inicial