10 setembro 2004

Não se calam com as mãos

De lábios calados, dentro dos vidros fechados, eles falam-se com as mãos, enquanto esbracejam sem som, homenzinhos frenéticos, à hora do telejornal, na televisão da montra da loja antes do semáforo onde, indiferente às arritmias da Bolsa, o verde caiu pontual, já uma e outra vez.

André Bonirre

0 Comentários:

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial