19 fevereiro 2006

Uma Mulher do Mal: Jean Seberg




Foi preciso vê-la ao lado de Belmondo (ah mas antes Belmondo que esse homem letal cujo nome, Romain, anunciava duplamente, Garou, a desgraça. Antes Belmondo que Fuentes, outro literato) para me lembrar de como era linda, com o cabelo curto, T-shirt às riscas horizontais em preto e branco, calças apertadas acima dos tornozelos magros, sabrinas, umas ancas que a distinguiam das anorécticas a vir. Talvez houvesse sempre um homem a correr para ela, à bout de souffle. Mas havia a tragédia. O FBI de Hoover, os Panteras Negras, a morte que não foi doce.


(ver Jóias de Família e aqui).

0 Comentários:

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

Hiperligações para esta mensagem:

Criar uma hiperligação

<< Página inicial