27 agosto 2006

Um voto transcendente



O caso de Setúbal transporta uma lição para os eleitores. Ao votar CDU não estão a votar numa pessoa para presidente da Câmara, nem numa equipa de vereadores, nem numa coligação de partidos políticos. Estão a votar numa entidade que está para lá da realidade empírica e que em qualquer altura, do seu limbo de perfeição, pode decidir os instrumentos mais adequados à realização do seu projecto.

0 Comentários:

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

Hiperligações para esta mensagem:

Criar uma hiperligação

<< Página inicial