05 janeiro 2007

A morte de Saddam e a morte, a morte.



José Pacheco Pereira falhou hoje (ontem), no Público, uma crónica inesquecível. O tema era a morte de Saddam, e o começo, uma poderosa evocação da humanidade do ditador perante a morte, prometia tudo. Mas o formato da crónica, as obrigações políticas de que se julga investido, o lugar de onde pensa ter de falar, acabaram por empurrá-lo para o terreno da política vulgar. Acabou a desculpar os americanos, esses gigantes pueris cujas asneiras imperiais têm sempre o condão de serem ungidas pela democracia.

(Andrés Serrano)

0 Comentários:

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

Hiperligações para esta mensagem:

Criar uma hiperligação

<< Página inicial