18 janeiro 2007

Um

A história foi contada em vários sítios e julgamos conhecer os seus aspectos principais. Uma mulher teve um filho indesejado. Entregou-o a um casal candidato à adopção e foi à sua vida, noutro país. Não volta a ser nomeada. O casal recebeu o lactente e iniciou o processo de adopção. Dezoito meses depois a Comissão de Adopção, ou a Comissão de Protecção de Menores, ou a Comissão de Verificação dos Genes das crianças adoptadas descobriu que o DNA da criança era partilhado por um carpinteiro da Beira interior, desempregado. Há dois mil anos um processo de paternidade que envolvia um carpinteiro da Galileia não chegou a dar origem a conflitos. Não foi o caso agora.

0 Comentários:

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

Hiperligações para esta mensagem:

Criar uma hiperligação

<< Página inicial