11 fevereiro 2007

O pais a onze de fevereiro




O sol desponta atrás dos montes. Ninguém vê televisão. A mulher do primo Horacio toma um cafezinho com o cliente. Nós escrevemos nos blogs. Os miúdos atravessam a ponte nova em correria. Um poeta deixou escrito que tudo isto não é nada na saca do mundo, não é senão um pó que nem se palpa na peneira do mundo. De cada vez que ela escreve alegram-se as praias.O Bonirre fotografa incansavelmente. A Rosa vem das termas como nova. Os fiéis desconfiam da sabedoria dos padres nestes assuntos. A miúda foi encontrada a tempo. Do bolor é que se extrai a medicina. Ainda vou a tempo de apanhar aquelas flores brancas e amarelas que se chamam lírios. E junquilhos.


(Pipilotti Rist)

0 Comentários:

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

Hiperligações para esta mensagem:

Criar uma hiperligação

<< Página inicial