21 março 2007

A heroína na latrina




Em 1970, o cinema moral de Rohmer celebrizou o joelho de Claire, em torno do qual gravitava a perturbação de Jerôme.
Entretanto o cinema operou uma grande transformação no corpo da mulher. Conhecemos hoje o corpo nu das grandes actrizes. Mas no duche, na cama, no banho do rio, era sempre a pele que víamos. Recentemente, com Penelope Cruz em Volver, Carice van Houten no Livro Negro de Paul Verhoeven, Cate Blanchett em Notes on a Scandal de Richard Eyre a mulher sentou-se na latrina. Não há agora filme em que a heroína não se sente na latrina. Saímos da superfície para um lugar mais intenso do corpo. Não ainda o momento excremencial do metabolismo, mas uma aproximação liquida esteticamente aceitável. Paradoxalmente, este movimento em direcção à visceralidade foi anulado pela beleza das mulheres. As mulheres são lindíssimas em todos os lugares onde se sentam. Em todos os lugares onde se despem, continuam, frágeis e inacessíveis, a enlouquecer docemente o olhar alucinado de Jerôme.


Jennifer Evans

(corrigido com agradecimentos aos comentadores 22:à"))

0 Comentários:

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

Hiperligações para esta mensagem:

Criar uma hiperligação

<< Página inicial