16 maio 2008

Na Kunstahaus de G.

" Acredito que em qualquer obra de arte, o que deve transparecer ee este momento particular, breve e silencioso, em que se entra em contacto com a Inteligencia, uma Inteligencia total e absoluta atravees da qual todas as coisas entram em comunicaca~o." (Pedro Cabrita Reis)
Eu estava na Kunstahaus de G., caminhando entre os canteiros de True Gardens #6 (Pedro Cabrita Reis), aa procura desse momento de Inteligencia, quando senti no ombro a ma~o do assistente, do guarda, do vigilante, do comissario. No ombro soo ma~os consentidas e esta na~o.. Era proibido, not allowed, forbidden entrar na estrutura. Soo respeitosamente, aa volta do jardim. Nas bordas da Inteligencia. Sem verdadeiramente tocar na obra de arte. Todas as coisas entram em comunicaca~o. Mas noos, as massas pagantes (7,5 Euros, com direito aa infamia colada no peito), devemos olhar com respeito, de longe, as coisas em comunicaca~ao, nesse momento breve, e noos, pre-coisas, de longe, a ver.

0 Comentários:

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

Hiperligações para esta mensagem:

Criar uma hiperligação

<< Página inicial