12 abril 2010

Todos iguais



Catálogo de MACRO FUTURE
Into Me, Out of Me
Roma, 2007



O Zagalo viveu com o Labão sete anos sem história. Pelo menos para mim que só os via na Páscoa. Agora o Zagalo apaixonou-se pelo Horácio e deixou o Labão. O Labão está inconsolável. Sete anos de sacrifícios, devoção, algum amor talvez. É assim que ele se queixa à Pipa, boa confidente, desde que seja ao telefone.
- Deixa lá, Labão- consola-o a Pipa, bom consolo, desde que seja ao telefone. Esse Zagalo é um filho-da-puta. Os homens são todos iguais.

Etiquetas:

3 Comentários:

Blogger fallorca disse...

O Labão não era o pai da filha do título homónimo de Tomás da Fonseca?

segunda-feira, abril 12, 2010  
Blogger Luís disse...

Sim fallorca, acertaste, esse mesmo. Mas o que relato aconteceu antes.

terça-feira, abril 13, 2010  
Blogger Maria José Vitorino disse...

Sete anos de pastor Jacó servia
Labão, pai de Raquel serrana bela,
Mas não servia ao pai, servia a ela,
Que a ela só por prêmio pertendia.

Os dias na esperança de um só dia
Passava, contentando-se com vê-la:
Porém o pai usando de cautela,
Em lugar de Raquel lhe deu a Lia.

Vendo o triste pastor que com enganos
Assim lhe era negada a sua pastora,
Como se a não tivera merecida,

Começou a servir outros sete anos,
Dizendo: Mais servira, se não fora
Para tão longo amor tão curta a vida.
(Camões)

domingo, abril 18, 2010  

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial