18 maio 2010

Até ao Mundial sisudo e grave




No último dia, perseguido pela mosca Albertina, o homem lá promulgou a lei. Volto a dizer: uma lei que permitiu acabar com uma discriminação, que tornou alguns mais felizes e não prejudicou ninguém. Os casados a sério, os das famílias verdadeiras, podem continuar a sê-lo. Sem saber, amanhã acordarão mais livres. Porque o fim de uma indignidade liberta mesmo os que se lhe opõem.
Mas não é disto que eu queria falar. Parece que não tenho o direito de me alegrar com o facto da nossa ordem jurídica passar a reconhecer este direito fundamental. Os fariseus já decretaram que o mood oficial, pelo menos até ao Campeonato do Mundo, é o sisudo tristonho deprimido. Assim como o Cavaco hoje e o António José Teixeiralogo a seguir. Os fariseus andaram na festa a semana toda, com o Benfica e Sua Santidade. E agora veio-lhes a crise, o desemprego e o endividamento. Perderam. Mas decretaram luto nacional para compensar.

Etiquetas:

3 Comentários:

Blogger M disse...

Um post fantástico onde destaco a imagem que é absolutamente divinal!
Parabéns
M

terça-feira, maio 18, 2010  
Blogger joshua disse...

Luís, há muito que aprecio o que escreves e gosto muito de ti, isto é, da personalidade que rescende dos teus textos.

Gostava que pensasses que pluralismo e tolerância é que muitos de nós, sem fariseísmo, simplesmente discordemos da lei.

Abraço

terça-feira, maio 18, 2010  
Blogger Frederico Hartley disse...

os fariseus caro Luís discordam da lei porque legitima o que devia ser feito às escondidas hoje como no tempo da velha senhora... ai que saudades do senhor Oliveira... cambada de paneleiros!

quarta-feira, maio 19, 2010  

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial