30 junho 2010

Que Viva España



A selecção portuguesa de futebol perdeu com a espanhola. Um grupo de trabalhadores nacionais emigrados e de estrangeiros emigrantes perdeu com um grupo de trabalhadores espanhóis. Explicaram-me como foi: a Espanha teve 61% do tempo a posse da bola, chutou à baliza com intencionalidade três vezes mais. A Espanha passou o jogo no meio campo português a trocar a bola e a urdir lançamentos em profundidade para os atacantes. Em linguagem futebolística : a Espanha fez a bola circular entre as nossas linhas à procura de espaços de penetração. Face a esse domínio esmagador, um certo equilíbrio podia existir se a equipa portuguesa partisse rapidamente da recuperação da bola para situações ofensivas. Isto é, se as transições fossem rápidas. Isso quase nunca aconteceu. Poucas vezes até aos 52 minutos e nunca depois. Todos os jogos têm uma história que não está escrita antes e raramente é previsível. Um grande escritor sobre futebol, Luís Lobo, escreveu há tempos que um jogo se podia perceber encostando o ouvido à linha de meio campo e auscultando os passos dos jogadores que a cruzam. Se tivéssemos feito isso teríamos percebido que a equipa portuguesa era o silêncio com uma intermitência pela esquerda .A alteração possível implicava o reforço da ala esquerda mantendo o homem Almeida no eixo do ataque. O treinador português não fez essa escuta e a equipa apagou-se, inofensiva.

A nossa selecção de futebol é muito inferior à espanhola. A nossa selecção de jornais também. A de colunistas nem se fala, embora seja difícil imaginar com quem se pode comparar um imbecil ilustrado como VPV, um católico ultramontano como César das Neves ou um diletante como MST. Se nos compararmos, perdemos em quase tudo: na poesia, na novela, na viola de gamba, na saúde oral e no tamanho dos narizes. Ontem viu-se, quando as câmaras focavam a assistência: uma mulher guapíssima passando bâton pelos lábios, alternava com um broeiro lusitano, atarracado e hirsuto.
A Espanha teve de tudo e a sério. Teve anarquistas e falangistas, brigadas internacionais e fossas comuns. Na primeira metade do século XX a Igreja Católica em Portugal foi nojentinha. Em Espanha foi mesmo nojenta.
Hoje estamos como sempre fomos - se excluirmos o breve período em que um bruxo brasileiro, com o apoio do Marcelo das bandeiras, fez psicoterapia de grupo à selecção de futebol e hipnose ao País. Condenados ao Sócrates e ao clone barítono, aos socialistas entre a jugular e a estomáquica, aos sociais-democratas revirgens como um rapaz de Blake, aos estalinistas e à esquerda alternativa. Ao senhor Silva e ao comendador Loureiro. Ao fartote, ao rega-bofe, à depressão cortical, ao fado da humanidade imaterial, à maldição insular que atingiu Antero e ainda chega até nós, como um anticiclone que vem dos Açores.
Dos Açores e não das Canárias. Do Brasil e não da Argentina, do Alto Peru ou de Cartagena das Índias. Faz toda a diferença. Toda la diferencia.

Etiquetas:

11 Comentários:

Blogger Ana Cristina Leonardo disse...

um esquecimento neste post: o david villa. eu, pelo menos, passei o jogo a perguntar, cada vez que ele enchia o ecrã em grande plano: hombre, quem é este espanhol de olhar matador? depois ele marcou o golo e os meus amigos acusaram-me de a culpa ser minha por estar sempre a elogiá-lo. mas o guarda-redes português era corajoso.

quarta-feira, junho 30, 2010  
Blogger Luís disse...

Sim, sem dúvida. Esse Bilha é bom. E o Eduardo também, um homem do Norte.

quinta-feira, julho 01, 2010  
Blogger Luis Eme disse...

quase que é e foi assim...

quinta-feira, julho 01, 2010  
Blogger momo disse...

que curioso , tengo que leerlo de nuevo porque a veces no pillo el sentido de ironia...bah lo leeré despacio ..me gusta tu blog
por cierto Villa es asturiano como yo...hehehe

quinta-feira, julho 01, 2010  
Blogger Isabel disse...

Luís, os portugueses eliminaram a Espanha em 2004 e os espanhóis foram para casa mais cedo em 2006 - ah pois, mas esses eram os tempos do bruxo.

os iogurtes espanhóis são uma porcaria e as canas (canhas)também. A comida se não for cara também é medíocre, platos combinados à cabeça. Os cafés na estrada que liga a França são indiscritíveis. O algarve é um paraíso ao pé de Benidorm e das costas douradas.

A selecção de futebol tem 6 jogadores do Barça, que não é propriamente Espanha.

têm a Eta e os independentistas galegos e têm ainda um rei e princesas feias..

Isto é só um contraponto :)

quinta-feira, julho 01, 2010  
Blogger FNV disse...

eheheh...princesas feias...muito bom, Isabel.

quinta-feira, julho 01, 2010  
Blogger Isabel disse...

indescritíveis, indescritíveis, menina I. escreva indescritíveis 100 vezes.

sexta-feira, julho 02, 2010  
Blogger Ana Cristina Leonardo disse...

Bilha... (hi!hi!hi!)
Declaração de interesses: prefiro, de longe, madrid a barcelona, olé!

sexta-feira, julho 02, 2010  
Blogger Comment peut-on être persan disse...

Admiro os espanhóis em muitas coisas e uma delas é nem sequer imaginar que um espanhol quisesse ser português.
O contrário já não é impossível.

Acho o post espantosamente mordaz e real. Como a Espanha.

domingo, julho 04, 2010  
Blogger Comment peut-on être persan disse...

Mordaz, assassino e real.
Post magnífico.

domingo, julho 04, 2010  
Blogger JPB disse...

Espanha somos nós, mas em melhor e em pior.

quarta-feira, julho 07, 2010  

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial