04 outubro 2010

Nausicaa



Ulisses, o que muito sofreu,
Vai de manhã para o trabalho.
Nausicaa, a dos alvos braços,
Saiu mais cedo.
A tempo do comboio das sete.
Talvez durma no comboio.

De noite é que não dorme.
A cabeça cheia de naufrágios,
Da ideia de naufrágio.
As raparigas tentam consolá-la
Sem saber bem de quê
Até que chega o náufrago
E como vem nu
Todas fogem.
Todas?
Aconselhada por uma deusa
Que gosta de complicar
A vida já de si difícil
Dos heróis
Nausicaa, a dos alvos braços,
Fica.

Agora no comboio, à luz crua da manhã,
Tenta dormir
Por as contas em ordem
Enquanto Ulisses, o que muito sofreu,
Vai ganhar o dele menos 8%.

Etiquetas:

3 Comentários:

Blogger JPN disse...

Que bom voltar à blogosfera assim...

quinta-feira, outubro 07, 2010  
Blogger JARRA disse...

Esta nova classificação social- e poética, veja-se - em função da percentagem de abate, vai criar curiosos sentimentos:
Ambição, passa a significar "desejar abater uma maior percentagem ao ordenado"
Inveja - achar que "os que mais descontam para a desgraça comum, são os mais priveligiados".
Intriga - "sabes quanto ele reduziu no ordenado, o sacana?!"
Esperteza saloia - deixar de trabalhar para não me sacarem nenhum ao ordenado.
Lucidez - mandar-lhes com um tijolo!
Abraços

sexta-feira, outubro 08, 2010  
Blogger Maria José Vitorino disse...

JARRA
FUGA-AO-FISCO - deixar de trabalhar LEGALMENTE, para não me gozarem mais

sábado, outubro 23, 2010  

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial