06 novembro 2010





Aproveitei o feriado para ir à Victoriana de Mondariz, uma loja de velharias. Chovia abundantemente. A tempestade afugentara os clientes e , teoricamente, adoçara o coração comercial do senhor F. Eu precisava de um louceiro barato. O senhor F. de momento não tinha. Mas aproveitou para me levar ao depósito da Victoriana, a cem metros da loja, que os clientes são convidados a visitar. Aí o senhor F.mostrou-me quatro cadeiras Thonet, modelo 214 F. Prefiro o modelo 213, que me parece mais próximo daquele a que o velho Michael chamou o modelo 14. Mas o senhor F tinha disponíveis eram 4 exemplares do modelo 214 F que vendia, por junto, a 900 euros. Muito trabalho de restauro Tinha comprado nove cadeiras - alguém de mau gosto quisera recrear o modelo 214 PF e aplicara selvaticamente um estofo agrafado no assento das 214 P- e aproveitado aquelas. Resisti à investida do senhor F. Na verdade eu não dispunha daquela importância nem precisava de cadeiras. Nessa tarde, desafiando a tempestade, viajei para norte e na cidade de Lugo alojei-me no Hotel Méndez Nuñez, junto à Farmácia Central. De manhã na calle de la Reina tomei o pequena almoço na Confiteria Madarro. As cadeiras eram Thonet, modelo 214. Depois bebi uma genebra no Café Dólar, plaza de Porlier em Oviedo. Cadeiras Thonet, modelo 214. E no Gran Café de Gijón, modelo 214, na Vinateria El Feudo, na Sidreria La Gran Taberna. Partilhando um copo de Ribera, enquanto lias Il rosa Tiepolo de Roberto Calasso, esta história parecia ter sentido e poder ser contada, com madeira e vapor,por cadeiras Thonet do modelo 14.

1 Comentários:

Blogger fallorca disse...

«...na cidade de Lugo alojei-me no Hotel Méndez Nuñez...» perto da praça onde está «ó pajaro» :)

sábado, novembro 06, 2010  

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial