11 março 2011

Depois de amanhã ou Nem tudo está perdido.




André Bonirre

Sonhei que chegava ao trabalho e me sentava para a reunião de passagem de turno. Ninguém falava, mas à segunda-feira as coisas arrancam devagar. Olhei, interrogativo, a Valeria, que fizera o turno da noite. Como ela se mantivesse calada, disse, sem elevar a voz: - Podemos começar. A Valeria olhou nervosamente para os apontamentos.- Aconteceu alguma coisa?- perguntei, enquanto procurava os olhos da Júlia. A Júlia é a chefe de serviço e coordenadora do departamento. Quando me esqueço de alguma coisa- o que sucede com alguma frequência nos últimos anos- ela toma a palavra com naturalidade. Também me substitui em algumas conferências e, desde Janeiro, acompanha-me às reuniões do Conselho. Mas a Júlia não levantou os olhos. Então, do lado esquerdo, aproximou-se o Rogério, o jovem promissor que o Conselho contratou em novembro, e, com aquela voz mansa que sempre me irritou levemente, disse: -Precisamos de falar.
- Depois de receber o turno, se não se importa- respondi, com autoridade.
- Acho que o senhor ainda não percebeu, Dr.Santos, nós já passámos o serviço- continuou o Rogério, sempre de pé, ligeiramente inclinado, do meu lado esquerdo.
Voltei a procurar a Júlia e pela segunda vez ela me falhou.
- Achamos que chegou a hora de ser substituído na direcção da empresa, Dr. Santos. Espero que compreenda essa necessidade e se integre no Novo Espirito, como a esta hora está a suceder por todo o lado, neste país, e em toda zona mediterrânea.
- Mas substituído por quem, ó Rogério ? E por ordem de quem? E por alma de quem? -tentei ironizar, calando prudentemente a minha surpresa pela erudição geopolitica do Rogério.
- Por mim - respondeu o rapaz. Ordens do Conselho, interpretando o Movimento a que pertenço.
- Do Conselho? - interroguei perplexo?
- De alguns membros do Conselho- explicou ele, tolerante.- Os mais jovens.
- Mas porquê você, Rogério ?- comecei eu, jogando na divisão, e olhando cúmplice para a assistência. - Você, Rogério, tem um contrato magnifico, bem mais vantajoso do que o meu, ao que julgo saber. E, se se trata de promover uma renovação geracional, por que não dar o lugar à Dra.Júlia, muito mais preparada que você, caro Rogério, perdoe a franqueza.
- A Dra. Júlia faz parte da classe que deteve o poder, Dr. Santos, ou esteve perto dele, ou perto da geração do poder. As coisas mudaram, queira deixar essa cadeira.
Tentei protestar. - Cidalia, tu que tanto protegi. - Fernando, que levei à conferência de Munique. - Serena, o que vai ser do teu projecto de doutoramento?
Levantei-me da cadeira. Igual às outras, afinal. Mas, pela colocação na sala e pelo uso que eu lhe dera, simbolizava a minha tíbia direcção. Se alguma coisa sei é a força que têm os símbolos. E também sei que em épocas destas é preciso respeitar gente como o Rogério e os membros mais jovens do Conselho. Tenho a pensão da minha mãe para defender - nem tudo está perdido.

Etiquetas:

9 Comentários:

Blogger rjperes disse...

E depois acordou, certo?

sexta-feira, março 11, 2011  
Blogger Ana Cristina Leonardo disse...

Ultimamente muito me tenho lembrado do Diário da Guerra dos Porcos do Bioy Casares

sexta-feira, março 11, 2011  
Blogger at disse...

parvos há muitos!

sábado, março 12, 2011  
Blogger maria disse...

"tenho a pensão da minha mãe a defender..." ora bem (mal)!

sábado, março 12, 2011  
Blogger Luís disse...

Ricardo, não foi bem um sonho; Ana, não percebo, podes ser mais explicita; Maria, tem alguma coisa contra a pensão da minha mãe, que acaba de sofrer corte e congelação; Ana Cristina estou a tentar ter uma noção
Global da manif. Mas devo dizer que não me lembra Bioy Casares.
obrigado a todos pelos comentários
(felizmente o Rogério não lê o meu blog)

sábado, março 12, 2011  
Blogger cs disse...

Passo algumas vezes por aqui , mas desta levo isto.
Roubo descarado, eu sei! Mas linkado :)

domingo, março 13, 2011  
Blogger at disse...

Referia-me a todos os “parvos” da canção dos Deolinda, velhos e novos, a todos os que encontrei ontem na rua mesmo à rasquinha.

domingo, março 13, 2011  
Blogger Ana Cristina Leonardo disse...

Aqui
http://www.wook.pt/ficha/diario-da-guerra-aos-porcos/a/id/189630

domingo, março 13, 2011  
Blogger maria disse...

nada! nada de confundir "causa e efeito" (hoje tirei a tarde para ler Nietzsche e vir para aqui esbanjar sapiência).

domingo, março 13, 2011  

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial