11 abril 2011

Os colaboracionistas vão formar governo


Em Colapso, Jared Diamond passou em revista civilizações extintas, da Roma Imperial à ilha da Páscoa ou às civilizações meso-americanas. Procurou os motivos comuns dessa implosão. Um dos motivos é a incapacidade de mudança das elites dirigentes. As sociedades parecem viver a dois tempos. Um tempo que já não existe infiltra as pessoas comuns. E é um tempo de desistência e desinteresse, onde os homens, nas praças, continuam a partida de xadrez ou da pelota basca. Nesta praça, na tarde de sexta-feira, juntam-se desempregados de longo curso, mulheres sem reputação, uma ou outra criança, reformados. Jogam a petanca. As televisões vomitam notícias de desgraça. O país não tem dinheiro. Os empréstimos vão ser negociados pelos culpados da crise e os que a crise não atingiu, em seu sustento e benefício. O Estado da modernidade acabou e vem aí, impiedoso, o Estado hiper moderno degenerado, duro com os contribuintes, ignorando os pobres, tolerante para os aldrabões, protector dos bancos. Nobre era afinal um Cavaco para os pobres de espírito, sempre prontos para acreditar em fadas e duendes. Os apoiantes do partido de Sócrates entram em delírio litúrgico. A realidade é mais suportável quando vivida no fanatismo das seitas. Os Vitorinos impantes de hoje serão os primeiros a felicitar democraticamente os vencedores das próximas eleições e a desertar para os negócios obscuros. Os oficiantes da classe média exultam: Barreto , Medina Carreira, Silva Lopes, o Miguel, nunca tiveram tanta solicitação. Os aviões da Nato continuam a bombardear humanitariamente a Líbia enquanto Kadafi dá entrevistas à BBC. Um sentimento de irrealidade parece comum à gente que, indiferente aos sinais, continua a fazer a vida de todos os dias, nas cidades da Europa, enquanto no Japão se contam os mortos. Depois da carga da aviação das agências de rating, os funcionários da U E avançam implacáveis sobre os destroços dos países que se renderam. Primeiro tomaram Atenas, depois Dublin. Em Lisboa, os colaboracionistas preparam-se para formar um governo nacional.
Na praça, indiferentes, os que vão morrer atiram bolas de chumbo contra o Jack. Com o maquis queimado e a juventude anestesiada pela Primavera, não há ninguém para a resistência.

Etiquetas: ,

8 Comentários:

Blogger luis reis disse...

Este é um texto que devia ser espalhado pela blogosfera...
Um murro no estomago.F....,nem me apetece escrever mais nada...

segunda-feira, abril 11, 2011  
Blogger Lucy disse...

tenho inveja desta escrita

segunda-feira, abril 11, 2011  
Blogger JPN disse...

excelente, Luís!

segunda-feira, abril 11, 2011  
Blogger fallorca disse...

Irresistível ;)

segunda-feira, abril 11, 2011  
Blogger Pedro disse...

Para todos os que,com o corpo refém e alma amotinada,são afogados na mentira e no teatro a verdade doí. Doí, mas é bela.

quarta-feira, abril 13, 2011  
Blogger Hugo Besteiro disse...

grande texto

quinta-feira, abril 14, 2011  
Blogger JC disse...

Talvez não seja já a hora de resistir

sábado, abril 16, 2011  
Blogger cs disse...

Que inteligente texto. Real. Incisivo. Aplicável a governantes, directores, intermediários. Chapeau!

quinta-feira, abril 28, 2011  

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial