09 fevereiro 2012

Minijobs a 60 cêntimos/hora



"São já cerca de sete milhões os empregados em “minijobs” na Alemanha, com remunerações inferiores a 60 cêntimos à hora... "

lido aqui

Etiquetas:

2 Comentários:

Blogger João Sousa André disse...

A história está devidamente corrigida num dos comentários à notícia...

quinta-feira, fevereiro 09, 2012  
Blogger Helena disse...

Mas quem é que consegue acreditar que há 7 milhões de pessoas na Alemanha a viver com salários de 60 cêntimos à hora?!

Há, sim, 7 milhões de pessoas com minijobs. E provavelmente esse sistema vai ser revisto, porque se chegou à conclusão que é contraprodutivo.

Para complementar o comentário de João Sousa André, copio para aqui o comentário referido por ele:
A.Proenca [Leitor não registado] 09 Fevereiro 2012 - 13:15
Pequena correccao
Só uma pequena correccao: Os mini Jobs sao pagos a 1 € à hora quando sao através do Fundo de desemprego e sao na maioria realizados por quem está há mt tempo desempregado, na sua maioria Hartz IV. Trabalham por 1 euro, mas têm a renda paga (o apartamento nao deve ter mais de 45 m² por pessoa. Se tiver familia, mais 15m² por pessoa) e uma percentagem de 68% para a Luz. Recebem ainda 359 Euros e mais os tais euros do minijob. Se ultrapassarem os 160 Euros, é depois reduzido dos tais 359 euros. Através de Agências de emprego o minimo admitido é de 4,50 € por hora. / além disto tudo também existem os miniJobs para quem quer ter por exemplo um segundo trabalho. Estes baseiam-se nos 400 a 600 euros por mês e as pessoas nao devem trabalhar mais de 20 horas por semana. / Quanto a Jobs pagos a 2 euros há hora, tratam-se também de ocupacoes para quem está no fundo de desemprego (nao confundir com quem é Hartz IV). Na maioria estes Jobs sao para uma formacao qualquer, que é paga pelo centro de emprego mais os 2 euros por hora. Só devem trabalhar 30 horas por semana. Estes por sua vez nao recebem dinheiros para renda nem luz, mas têm direito ao subsidio de habitacao, cerca de 140 euros. Depende também se sao estudantes o nao.

quinta-feira, fevereiro 23, 2012  

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial