04 março 2007

Um poema de Gastão Cruz: O fim do dia

cf. Blake, The Mental Traveller e The Sick Rose


Ouço morrer o dia uma voz reduzida
à penumbra do som outrora estrídulo
olhai-lhe o pénis hirto a mandíbula fria
Conta-lhe os nervos de ouro uma fêmea de fogo

que os numera e os ouve na escuridão tangível
e vive do seu frio do seu choro
e vai ficando jovem enquanto ele se extingue
Até que ele por fim é um jovem que sangra

e ela se transforma numa virgem magnífica
o som do dia morto agora já não o ouço
fundiu-lhe a noite já da voz as cordas de ouro
como o verme que rói a rosa e dela vive.

(Gastão Cruz, em Campânula, 1978)

Etiquetas:

0 Comentários:

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

Hiperligações para esta mensagem:

Criar uma hiperligação

<< Página inicial