20 abril 2007

Não देवे सबेर, não देवे ver


Varlam Chalamov


John Gray, cujo livro Straw Dogs abri numa viagem de avião, em casa à noite, e em outras pausas do trabalho, ensinou-me, em todos os instantes em que o li, coisas terríveis.
Não digo verdades terríveis porque não sei o que sejam verdades, nem é a busca da verdade o que me faz viver. Ângulos diferentes de observação, um outro pensamento, uma reflexão menos habitual. Gosto de cada página do livro, cada página me dá a exaltação e a gravitas da partilha de qualquer coisa assombrosa, que não é o conhecimento mas é uma aproximação ao conhecimento.
Não vou falar da tese principal do livro, a de que o humanismo é o sucessor laico do cristianismo, um reduto do antropocentrismo. Os meus amigos não entendem, julgam que estou a fazer a propaganda do Encoberto, de Israel, do Irracional. Nem eu tenho saúde para isto, nem os tempos correm a favor. Vou só falar de temas laterais.
Com John Gray conheci o escritor Goronwy Rees, que não encontrava em si qualquer processo unificador a que se pudesse com rigor chamar um “Eu”. E Varlam Chalamov, um autor do gulag, que passou 17 anos numa ilha de morte chamada Kolima, “um campo árctico onde morria por ano um terço dos prisioneiros”, e que escreveu:
“Há muitas coisas que um homem não deve saber, não deve ver e, se as chegar a ver, melhor será que morra.”


John Gray, Sobre Humanos e Outros Animais, Lua de Papel, 2007
Varlam Chalamov, autor de Histórias de Kolima, sobre o Gulag soviético
Goronwy Rees, escritor irlandês a quem a filha chamou o senhor Ninguém, espião russo.

Etiquetas:

0 Comentários:

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

Hiperligações para esta mensagem:

Criar uma hiperligação

<< Página inicial