27 abril 2007

O 25 de Abril pela gente da Abbondanza



As comemorações do 25 de Abril mostram o país que somos e onde chegámos.
Felizmente que há gente como Isabel Coutinho (Público) para descrever a "pompa e circunstância" do protocolo que acentua "o deprimente retrato geral". Ou como Constança Cunha Sá que num comentário sobre a presidência ornamental de Cavaco escreve : "O prof Cavaco pode estar genuinamente preocupado com a transformação de uma data libertadora num ritual vazio que se esgota num pequeno conjunto de participantes. Mas devia preocupar-se muito mais no dia em que o 25 de Abril se transformasse, de novo, numa data viva, que galvanizasse a população em geral, incluindo os jovens que ele tanto aprecia: porque nesse dia, sim, algo de essencial poderia estar em perigo."
O sinal mais claro da degenerescência do regime é a reacção dos plutarcas ao discurso de Paulo Rangel. Da direcção de Sócrates a Júdice e a Pinto Ribeiro todos consideraram o discurso "deslocado". Deslocado! Eu acho (como escreveu Francisco Teixeira da Mota) que o discurso de Paulo Rangel, sobre o perigo das liberdades, é um discurso esquizofrénico, porque se dirige para as bancadas do partido do governo e do seu próprio partido. Mas é uma intervenção que honra o 25 de Abril. É ao ler a homilia de Maria de Belém que percebemos o tom que o estabelecimento considera apropriado à comemoração: "Era primavera cheirava a madrugada e havia música no ar ponto de exclamação E flores vírgula muitas flores vermelhas que passaram a chamar-se liberdade ponto final" A jornalista Isabel Coutinho ficou arrepiada. Houve outros jornalistas que se preocuparam mais com os aspectos fashionable da Assembleia, embora neste campo os laçarotes de Maria de Belém estivessem de acordo com a lenga-lenga progressista e a modista merecesse uma referência.
À tarde, um pequeno "grupo de anarco-libertários" manifestou-se junto à ex sede da ex PIDE. A polícia, calcule-se, "reconheceu-lhes os símbolos" e encheu-os de porrada democrática. Uma questão genética e cultural. A polícia do estabelecimento democrático reage assim aos símbolos anarco-libertários. Pasolini dizia à bandeira vermelha para voltar a ser farrapo e que os mais pobres a levantassem. No 25 de Abril de 2007 ninguém levantou o farrapo. Se alguém o fez vai ser entregue à justiça sumaríssima.

Etiquetas:

0 Comentários:

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

Hiperligações para esta mensagem:

Criar uma hiperligação

<< Página inicial