03 maio 2007

Remember me




REMINDER

f. é uma jornalista que conheço há alguns anos pelos textos que publica nos jornais e blogs. É uma jornalista de causas e aprecio algumas das causas que abraçou. No dia 25 de Abril publicou um comentário ridicularizando o discurso de Paulo Rangel na Assembleia da República. Recorde-se que Rangel considerou que se viviam em Portugal tempos de ameaça à liberdade de expressão, o que foi considerado, pelo governo e seus próceres, como um arrobo de demagogia partidária. Bota abaixismo, disse Sócrates. Deslocado, disseram outros. f. preferiu falar do casaco do deputado, um trapo indigente comparado com o blaser do primeiro-ministro. A posição de f. é importante por ela ser uma referência do jornalismo de qualidade, independente. Se ela menospreza assim o discurso de Rangel é porque há razões para ter confiança. Não há ameaças à liberdade, ou a haver são irrelevantes. Se as houvesse, f. estaria em guerra. Sublinhando a sua posição, f. publicou uma carta de um leitor do blog que manifestava uma indignação possidónia pelas preocupações do psd relativamente às liberdades.
Permiti-me discordar. Num curto espaço de tempo, um dos jornais de referência, o DN, foi entregue a um director experiente num tipo de jornalismo em que me não revejo, e encetou um programa acelerado de tabloidização do jornal. A minha liberdade de leitor foi atingida quando deixei de ter o suplemento de sexta ou rubricas como Contra os Canhões.
Logo de seguida, um grupo espanhol comprou a TVI e entregou a sua gestão a um destacado elemento do PS, conhecido pela enorme influência conquistada através da promiscuidade cargos do Estado/ cargos empresariais e da forma maquiavélica com que pratica a política.
Estas questões podem ser discutidas, embora não haja muita gente disponível para as discutir. Fora da blogosfera, por exemplo, a disponibilidade para discutir estes temas é escassa, por razões óbvias. Os media têm alguma dificuldade em avaliar-se a si próprios.
Eu não disse a f. que estava mal vestida nos Prós e Contras do referendo da interrupção da gravidez. Acho que o humor tem lugar no combate politico e na intervenção pública. Admito que os outros utilizem contra mim armas semelhantes às que utilizo ou estou pronto a usar. Não tenho visões a preto e branco do mundo. Engano-me muito. Não me orgulho de muitas das coisas que fiz. Sinto-me aliás mais forte para falar de alguns aspectos da realidade na medida em que os vivi com alguma proximidade. Não sei o que é “o bem” e “a liberdade”. Com John Gray, tendo a considerar que o objectivo da vida é apenas viver, como os restantes animais, olhar, observar e disso retirar felicidade.
Quando quero falar de f. falo de f. Quando quero falar dos policias franceses falo dos policias franceses.
Tudo isto não tem muita importância. Já é conhecido o veredicto de f. e das suas admiradoras. O que eu possa dizer sobre as suas posições é palermice.
Eu não acho que f. seja uma palerma. É uma pessoa de virtude. Desde Saint Just que tenho medo dos virtuosos.

Etiquetas: , , ,

0 Comentários:

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

Hiperligações para esta mensagem:

Criar uma hiperligação

<< Página inicial