25 maio 2008

Um antibiótico para o síndrome gripal

Experimentem estar quinze dias sem ver televisão nem ler jornais. É bom, faz bem à saúde, torna-nos pessoas melhores. Ontem voltei à doença. Vi a excitante competição para a liderança do PSD, o comovente acolhimento que Viseu está a dar à selecção de todos nós, as ameaças da ASAE aos santos populares, o relatório bariártrico da Direcção Geral de Saúde, com o Dr. Francisco George a garantir “o aumento da produção” e da necessária comparticipação estatal, o Infarmed a alertar a população contra a henna negra e a aconselhar a henna natural, a Carla Bruni a passar revista às tropas antes da visita a Angola, já de meia- idade Max Mara e despida de direitos humanos. E vi o nosso Sócrates, que tinha ido às Urgências do Santo António com o não-sei-quantos que “tinha pedra nos rins” e ele doente, mas felizmente só com “um síndrome gripal” para o qual forareconfortado “com um antibiótico”. Deram-lhe “um antibiótico” para “o síndrome gripal” e ele não apenas gostou como achou que tínhamos de saber. Oh George, oh Infarmed, oh Ministra da Saúde, oh Grupo de Missão para os Cuidados Primários de Saúde, oh Comissão das Boas Práticas do Hospital de Santo António, oh Reestruturação das Urgências.

Etiquetas:

0 Comentários:

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

Hiperligações para esta mensagem:

Criar uma hiperligação

<< Página inicial