02 fevereiro 2009

Os Livros Ardem Bem


André Bonirre



O Poeta, este poeta, escreve à razão prática como, segundo o Álvaro de Campos, os crentes enérgicos faziam filhos. Os Livros Arderam bem no TAGV, infelizmente, desta vez sem magia. Porque o modelo aparentemente agora adoptado, com as intervenções escritas, retira-lhes vivacidade . Porque não há lugar à participação do público que quase adormece na contemplação. Porque o Nuno Júdice, o convidado de hoje, é um chato.
O Nuno Júdice foi, do Juvenil até ao Canto na Espessura do Tempo (1992), o meu poeta favorito. Depois disso a ideia da morte deixou de o atormentar e ficou um chato, académico, laureado, formalista. Não foi por acaso que o Manuel de Freitas, no quase manifesto dos Poetas sem Qualidade o erigiu como alvo a abater pela nova geração, uma espécie de Dantas para os que começavam a publicar em 90, depois de Ruy Belo e de J.M.Magalhães.
Osvaldo Silvestre esteve preso aos deveres de anfitrião e acabou por se calar, entediado.
O auto convencimento de Nuno Júdice atingiu o clímax( o clímax permitido a um poeta morto) quando Osvaldo lhe perguntou a opinião sobre a produção poética contemporânea e ele disse que todas as décadas surgiam um ou dois poetas ( sem ser capaz de sujar os lábios com uma citação. Nem Franco Alexandre, nem Luís Miguel Nava, nem Magalhães, nem Hélder Moura Pereira). Mas nas últimas décadas (pausa enfática) não vislumbrava ninguém. - Ninguém- o Osvaldo, enjoado.
- Ninguém. Nem um nome. Espremia os anos noventa e a primeira década deste século e não lhe saía nada.
Teria sido, no entanto, bem fácil. Bastava-lhe olhar para o lado para ver Luís Quintais. E Manuel de Freitas, e Rui Pires Cabral, e Carlos Bessa. E Ana Luísa Amaral e Adília Lopes. E Maria do Rosário Pedreira e José Miguel Silva.
Contente consigo próprio o Poeta entrou em registo confessional e disse ainda que em tempos escrevera um verso em que afirmava: Depois de mim só a prosa.
Depois desta prosa saí da sala. Era a única coisa poética que podia fazer.

PS(9/02/09): Osvaldo Silvestre teve a gentileza de responder nOs Livros Ardem Mal a este post impressionista, escrito à queima-roupa, em cima do acontecimento, como quase tudo o que aqui se publica. Fê-lo com o brilho e a profundidade a que nos habituou.

Etiquetas: ,

0 Comentários:

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

Hiperligações para esta mensagem:

Criar uma hiperligação

<< Página inicial