16 março 2010

Joaquim Manuel Magalhães



Há no trabalho poético mais recente de JMM (O Toldo Vermelho, Relógio D´Água) uma contradição insanável. Toda a destruição opera num objecto preexistente. Pode ser depurado. Pode ser reduzido à sua essência. Pode ser tomado como matéria, cal, argila, tinta, som, os neuromediadores mobilizados pelas áreas do cérebro onde se formam as palavras. Mas foram os budas das colinas a ser destruídos por talibans enlouquecidos. Antes dos Budas havia a colina. A destruição escolheu as estátuas. Perceber profundamente a destruição e o que dela resultou, pressupõe o conhecimento da coisa destruída. Ironicamente, o texto que se quer único, remete e recorda sem cessar o texto mutilado. Como o que resta. Mesmo que reste apenas a "pressão do prepúcio na glande".

Ver
Luís Miguel Queirós

H.G. Cancela

Máscara & Chicote

Etiquetas:

0 Comentários:

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial