18 novembro 2009

O menino. A noite


Lisette Model

Não sei nada sobre este miúdo. Nasceu antes do tempo, respirou por tubos, uma mistura de gases que, para chegar ao sangue, tinha de ser soprada a altas pressões. Ficou ligado a uma botija que debita meio litro de oxigénio numa coleira que lhe dá uma autonomia de dois metros. Vive num lar de acolhimento, chamemos-lhe assim. A mulher que hoje dormiu ao seu lado trabalha nesse lar e esteve ausente uma semana, por gripe , claro. Quando voltou achou o menino mal. Tinha os lábios roxos e estava paradito. Disseram-lhe que já estivera pior. Ela rodou a torneira do gás e o menino melhorou. Depois chamou a ambulância e foi com ele para o hospital, onde há um médico que conhece a criança e a sua doença.
Ouço esta história duas vezes. Na passagem de turno e pela voz da mulher. É uma rapariga da terra. Ainda não tem idade para ter filhos e, nesta manhã, não teve tempo para se arranjar. O menino está ao seu colo e ora olha com atenção ora se esconde no côncavo do ombro, como fazem as crianças expostas a desconhecidos.
Quando lhe digo que o menino está feliz, ela responde: - Pela primeira vez na vida dormiu com uma pessoa que era só dela.

Etiquetas:

10 Comentários:

Anonymous Anónimo disse...

quando crescer o menino há-de saber q havia mais alguém a velar por ele... silenciosamente. são assim os anjos da guarda.

quarta-feira, novembro 18, 2009  
Blogger Isabel disse...

A resiliência dos meninos dos lares de acolhimento (chamemos-lhes assim) é imensa. E não é tão difícil que cada menino tenha uma pessoa só dela, gestos tão simples como uma funcionária que vai à rua fazer um recado e diz “queres vir comigo á rua fazer um recado?”. Faz toda a diferença e só depende da sensibilidade e bom senso de todos os adultos envolvidos.

quarta-feira, novembro 18, 2009  
Blogger MC disse...

caramba, uma destas logo pela manhã. porque é que a natureza nos prega destas?

quarta-feira, novembro 18, 2009  
Blogger Filipa Júlio disse...

bonito, bonito, bonito
(parece um conto de natal)

quarta-feira, novembro 18, 2009  
Blogger CCF disse...

Laços como estes é que são importantes...mulheres que dão colo assim enchem-nos de esperança.
~CC~

quarta-feira, novembro 18, 2009  
Anonymous gbr disse...

:(

quarta-feira, novembro 18, 2009  
Anonymous António, simplesmente disse...

Wellcome back, Luis.

quarta-feira, novembro 18, 2009  
Blogger armanda disse...

ainda há esperança...

quarta-feira, novembro 18, 2009  
Anonymous fernando f disse...

É por isto e muito mais, que a adopção deve ser incentivada e não cerceada, a quem de boa vontade o queira fazer, sem preconceitos de qualquer espécie.

quinta-feira, novembro 19, 2009  
Blogger carina disse...

triste demais para sabermos que é uma história comum a muitos meninos de lares de acolhimento....resta-nos ter esperança na natureza humana e na grande generosidade de todos os profissionais que se cruzam no caminho destes meninos!

sexta-feira, novembro 27, 2009  

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial